Blog

Arte e Cultura

Um Domingo Mágico no replantio das palmeiras Talipot.

publicado por: Claudio Machado em

Os setenta anos da UNESCO foram comemorados domingo (30/08), no Parque do Flamengo, dentro do evento “Talipot como Mensagem de Amor”, parte integrante da Marcha Mundial dos Bonecos pela Paz, coordenada pela UNIMA, com uma apresentação exuberante da Companhia Folclórica do Rio (UFRJ), no Teatro de Fantoches e Marionetes Carlos Werneck. O grupo apresentou um espetáculo divertido e colorido, explorando a riqueza e a diversidade do folclore brasileiro.

Do imenso público que lotou o Teatro, faziam parte dois grupos de crianças das UPPs do Cerro-Corá e Santa Marta, trazidas pelo Cel. Marcio Rocha, comandante do 2º Batalhão da Polícia Militar, e sua equipe. Ao fim do espetáculo o público, em um cortejo capitaneado pela Companhia Folclórica do Rio, caminhou pelo Parque até o local estabelecido para o plantio de mudas da palmeira Corypha umbraculifera (Talipot). Um total de oito mudas foram plantadas pelas crianças que ficaram com a expectativa de poder vê-las florescer, o que acontece uma única vez, daqui a mais ou menos cinquenta anos, período de vida dessa espécie de palmeira, nativa do sul da Índia e do Sri Lanka.

Estiveram presentes à solenidade, além do Cel. Rocha e equipe; a Vereadora Leila do Flamengo e equipe; o Administrador da IV Região Administrativa, Marcelo Maywald e equipe; e o Presidente da FLAMA – Associação de Moradores e Amigos do Flamengo, Leandro Alecrim.

1-Canoagem 149

1-Canoagem 183

1-Canoagem 174

1-Canoagem 162

1-Canoagem 235

1-Canoagem 216

1-Canoagem 164

1-Canoagem 230

1-Canoagem 224

1-Canoagem 238

1-Canoagem 223

1-Canoagem 246

1-Canoagem 249

1-Canoagem 254

1-Canoagem 255

1-Canoagem 260

1-Canoagem 270

1-Canoagem 275

1-Canoagem 286

1-Canoagem 264

1-Canoagem 292

1-Canoagem 295

1-Canoagem 301

1-Canoagem 304

1-Canoagem 297

1-Canoagem 313

1-Canoagem 319

talipotcomomensagemdeamor_12

Área de Piquenique Arte e Cultura

Morre Mário Sophia, um eterno defensor do Parque do Flamengo.

publicado por: Fernando Nascimento em

MÁRIO FERREIRA SOPHIA, 77 ANOS

Mario Sophia e Monica Morse no Parque do Flamengo

Mário Sophia reencontrando Monica Morse, filha de Lotta, depois de quase 50 anos.

Faleceu na manhã do dia 25 de junho, aos 77 anos, o arquiteto Mário Ferreira Sophia. O caçula do Grupo de Trabalho para a Urbanização do Aterro. Mário Sophia, era ainda estudante de Arquitetura quando entrou para a equipe de Lotta como Desenhista de Projeto.

Em 1965, assinou seus primeiros projetos, “O Labirinto” e o “Teatro para Brincar”, ambos no Playground do Morro da Viúva, parte do grande projeto arquitetônico de Affonso Eduardo Reidy, seu mestre e amigo.

Sophia nos contou com alegria, grandes histórias do Grupo de Trabalho da Lotta, como Reidy o vez desenhar inúmeras vezes a curvatura da enseada da Glória, ou quando ele foi defendido à palavrões, por Lotta, em uma desavença no “barracão”, com o cineastra Ary Fernandes, diretor do famoso seriado da TV Tupi, “O Vigilante Rodoviário”.

Muito amigo de Roberto Burle Marx, tornou-se um paisagista experiente e respeitado, trabalhou em diversos órgãos da administração municipal e estadual ao longo de 50 anos de carreira. Foi diretor do Departamento de Parques e Jardins, na década de 1980; passou pela Empresa de Obras Públicas do Estado, Riourbe e a antiga Superintendência de Urbanização e Saneamento, onde teve a oportunidade de acompanhar de perto a fase decisiva das obras do Parque do Flamengo, a partir de 1963.

Além da carreira no serviço público, Mário foi professor de paisagismo nas universidades Santa Úrsula e Estácio, durante muitos anos. Manteve também uma carreira paralela como paisagista, sendo autor de diversos projetos, entre os quais o Parque Arruda Câmara, de 1985, conhecido como Bosque da Barra, onde os elementos arquitetônicos são de autoria de Carlos Werneck. Seu trabalho mais recente é o projeto paisagístico do Hotel Grand Hyatt, que será inaugurado na Barra da Tijuca.

Mário Sophia ficava revoltado quando pessoas do próprio meio acadêmico, falavam que o Pavilhão do Playground do Morro da Viúva fora projetado para ser o Museu Carmem Miranda. Expressava profunda admiração quando falava do seu companheiro do Grupo de Trabalho e seu assessor no Departamento de Parques e Jardins, Carlos Werneck.

Em nossa última conversa estava querendo visitar os amigos Júlio César Pessolani Zavala (arquiteto e ex-sócio do Escritório Burle Marx) e Ethel Bauzer Medeiros (responsável pela programação original do Parque do Flamengo).

Mário Sophia foi nosso convidado especial na comemoração do 48º aniversário do Parque do Flamengo, recebendo do Instituto Lotta o Troféu de Realizador e o Título de Presidente de Honra da instituição.

O Parque do Flamengo fica mais triste sem a alegria contagiante do Mestre e Amigo Mário Sophia. Nossas condolências aos seus familiares e amigos, em especial a viúva, aos três filhos e aos netos a quem ele tanto amava.

1-DSCN9271

1-DSCN9224

WhatsApp chat Clique para WhatsApp