Tanque de Nautimodelismo

Nos grandes parques de lazer ativo do mundo, o nautimodelismo está presente em destaque como atividade de recreação. Do Central Park, em New York, ao Ibirapuera, em São Paulo, esse esporte sempre contou com muitos admiradores e agrega conhecimentos implícitos de engenharia, história, sociologia e arte.

Obedecendo as especificações estabelecidas pela International Model Yacht Racing Union (IMYRU), o Tanque de Nautimodelismo do Parque do Flamengo, foi o primeiro a ser construído na América Latina. Com 51 metros de comprimento, 21,5 metros de largura e profundidade de 60 centímetros, ele permite a navegação de veleiros “classe A”, que têm em média 36 cm de calado. Suas bordas são bastante largas para os competidores se sentarem, e o fundo, cimentado em concreto, possui argolas para ancoragem dos barcos.

Saiba Mais

Inaugurado em 3 de abril de 1965, com uma demonstração de diversos modelos como: veleiros “classe M”, com 50 polegadas de comprimento; barcos comandados por rádio; um contratorpedeiro; pequenas lanchas; um submarino e um modelo do navio Brasil, todos do acervo da Associação Brasileira de Modelismo Naval, entidade criada, à época, para controlar essa modalidade de esporte no parque, o tanque cumpria a função de despertar nas crianças o interesse pela engenharia naval através da recreação.

Como os adeptos do esporte só o praticavam aos domingos, adultos e crianças passaram a usar o tanque como piscina durante os dias de semana. Pouco mais de um mês após a inauguração, ele recebeu um gradeamento de 1,20 m de altura, para evitar possíveis acidentes por conta do mau uso e, também, poupar o equipamento de danos.

Em 1976, onze anos após inaugurado, árvores de grande porte foram transplantadas para suas imediações, afetando a circulação do vento e o movimento dos barcos. Os três clubes de nautimodelismo que existiam na época, brigaram com a administração do parque por causa delas. A consequência foi o esvaziamento do tanque.

O que no passado era um problema passou a ser um aliado dos praticantes do esporte atualmente. Com o uso mais recorrente do rádio, a dependência do vento diminuiu consideravelmente, e as árvores que antes prejudicavam a circulação do vento, agora servem de anteparo às ventanias que podem causar danos aos pequenos barcos.

Após ser usado por muitos anos como campo de futebol, atendendo solicitação do Movimento #OCUPAPARQUE, a Gerência de Monumentos e Chafarizes da Secretaria de Conservação encheu novamente de água o tanque para as comemorações dos cinquenta anos do Parque do Flamengo, ocorridas no dia 17 de outubro de 2015. Contudo, a alegria pouco durou. Nesse mesmo ano, alegando o falso risco das águas se tornarem um criadouro de mosquitos transmissores da dengue, a administração do parque solicitou à Secretaria seu esvaziamento, no que foi atendida prontamente.

Monumento arquitetônico de lazer ativo, o nosso tanque é um dos poucos a ter a possibilidade de ser preenchido com água do mar. Atualmente, só é cheio, quando há alguma solicitação de uso.

Venha experimentar um esporte que é destaque como atividade de recreação nos melhores parques do mundo.

Obs: o Tanque de Nautimodelismo é o item n° 27 da relação anexa ao Processo n° 748-T-64, de Tombamento do Parque.

Localização: próximo à Pista de Skate, ao Coreto Estrela e ao Posto de Salvamento nº 1, da Praia do Flamengo. Acesso pela passarela Arquiteto Fernando Tábora, entre os Campos de Pelada e o Playground.

Como Chegar

Esse site é uma iniciativa do Movimento #OCUPAPARQUE mantido pelo Instituto Lotta de Cultura e Cidadania.

Aproveite melhor as suas horas de lazer,
vivencie o Parque do Flamengo.

logoocupaparque

Usufrua de benefícios exclusivos aos mantenedores desse Projeto.
Junte-se a nós!
Faça parte dos Amantes do Parque!

Por um parque pra chamar de seu... Participe!

Poste suas fotos do Parque do Flamengo nas redes sociais usando a hashtag #OCUPAPARQUE

Sobre a prática do esporte

Por definição todo modelo que procure representar um navio, nave ou simplesmente um barco a remos, é considerado um modelo naval (nautimodelo).

Antes do aparecimento da moderna  micro eletrônica, eram muito poucos os modelos navegáveis rádio controlados. O habitual eram navios navegáveis com LEME CATIVO,  programado ou simplesmente com rumo livre, no que se refere a propulsão mecânica, e comandados por veleta ou aparelhos de retorno tais como a vara de madeira nos de propulsão eólica (vento). Atualmente tendo os equipamentos de rádio controle chegado a níveis de perfeição, miniaturização e baixo preço, quase ninguém pensa em construir ou possuir um nautimodelo navegável que não seja radio controlado.

Um dos Primeiros R/C empregados no modelismo, trata-se de um equipamento da marca Graupner adquirido em 1957 na loja de Hermann Kurtz  em Sttutgart – Alemanha.

Dentro do extenso aglomerado que constituem os diversos modelos de navios rádio-controlados, pode ser feita uma classificação à sua aparência, respeitando a sua natureza e tipo de uso a que se destinam: assim, podemos falar de modelos a escala, livres e de velocidade. Falar de Competição ao invés de velocidade não seria suficientemente preciso, já que, iremos vendo existem competições de modelos a escala.

MODELOS A ESCALA

Estes modelos são exatamente isso: modelos de um navio real, construídos a uma escala determinada e de tal modo que reproduzam com máxima fidelidade todos e cada um dos detalhes do navio original.

nautimodelismo_modelo_a_escala

Dentro desta denominação englobam-se as reproduções de todos os navios que navegam ou navegaram, abrangendo então a este grupo todos os tipos de navios de guerra, mercantes ou esportivos, construídos segundo seu condicionamento básico: a fidelidade à escala e ao original.

MODELOS LIVRES

Os modelos livres são aqueles realizados mais ou menos livremente a partir de algo concreto ou absolutamente ao arbítrio do construtor. Nesta área são incluídos desde aqueles modelos que tem uma vaga aparência de algum modelo navegável até aqueles que particularmente podem ser considerados como uma versão de um navio real, tirado de uma fotografia ou gravura e cuja semelhança é pura coincidência. Também englobará aqueles modelos construídos com grande esmero e detalhes, mas que por serem produto da imaginação do construtor, não se pode dizer que sejam uma réplica de um original, se bem que ao seu lado não desmereça em absoluto.

nautimodelismo_modelo_livre

MODELOS DE VELOCIDADE

São chamados “recers” ou modelos de velocidade. Neste tipo de embarcações tudo se subordinou apenas a velocidade. Na maior parte das vezes são verdadeiros Fórmulas 1 da velocidade e constituem expoentes das aplicações técnicas mais acertadas e dos mais experimentados conhecimentos. Neste grupo encontram-se os modelos utilizados em competições de velocidade e os que são completamente funcionais.

Normalmente, reduzem-se a um simples casco com complicadas e estudadas formas hidrodinâmicas, propulsionadas por poderosos motores de explosão ou elétricos, capazes de alcançar altas velocidades, da ordem dos 40 a 80 km p/hora ou inclusive mais, chegando a recordes de 250 km p/ hora.

nautimodelismo_modelo_de_velocidade

A COMPETIÇÃO

O pequeno mundo da competição é algo que por si só constitui uma família à parte. No modelismo naval navegável podem-se encontrar dois tipos diferentes de competição: a competição efetuada com modelos a escala ou a semi-escala e a que é realizada com protótipos, racers ou modelos de velocidade. Apesar de na prática terem vindo a classificar-se em dois modos diferentes: modelismo naval navegável e motonáutica rádio-controlada, já no que respeita a sua parte construtiva, o assunto somente varia no conceito e vamos considerá-los como modelos navais navegáveis rádio-controlados. Apenas quando chega o momento de comentar as instituições deveremos aclamar ambas as posições.

Quando no final da década de 50 e princípio dos anos 60 começaram a aumentar em todo o mundo os praticantes dos navegáveis, estes se viram na necessidade de agrupar-se e organizar, a fim de obterem todas as vantagens de pertencerem a uma organização, seja ele um simples clube ou organização, ou até mesmo uma federação. O fato de existir uma federação mundial de modelismo naval, chamada NAVIGA, com sede em Viena, fez com que todos os modelistas de navegáveis nela se filiassem através das correspondentes entidades nacionais. Quando as competições de lanchas a motor alcançaram níveis mundiais, muitos dos pilotos chegaram à conclusão de que a oportuna federação de motonáutica melhor defenderia seus interesses, já que, o que faziam não deixava de ser competições motonáutica a escala reduzida e como tal nela se filiaram, provendo-se das oportunas licenças esportivas.

Existem hoje várias categorias de competição para nautimodelos e lanchas. Para não aborrecer desnecessariamente com números e siglas identificativas, vamos comentar em geral as várias categorias mais habituais ou maioritariamente praticadas a nível mundial (EXCLUSIVAMENTE RÁDIO-CONTROLADAS).

Prova de manobra e atracação

OLYMPUS DIGITAL CAMERA