Movimento OCUPA PARQUE

Parque do Flamengo
Responsabilidade Social


Idealizado por Lotta de Macedo Soares para ser o Central Park Tropical, o Parque do Flamengo foi o primeiro parque de lazer ativo do Brasil. Com a programação criada por Ethel Bauzer Medeiros, ganhou uma característica única: a dependência intrínseca de pessoas. Dependência que perdura ainda hoje.

Os campos de pelada, o Teatro de Guignol, os barcos do nautimodelismo, os velozes aviões do aeromodelismo, os festivais de pipas e até mesmo as corridas de velocípedes permitiam misturar pessoas e parque, transformando horas de lazer em recreação viva, alegre e construtiva. Quem não se lembra do velho DC-3 da VARIG, prefixo PP-VBF, o “Avião do Aterro”, algo inusitado, um recreio memorável.

A partir dos anos 80, o Parque do Flamengo perdeu gradativamente o propósito para o qual fora concebido. Passou a ser conhecido somente como um jardim de Burle Marx. Os que cortam diariamente em alta velocidade as suas pistas não o enxergam, é invisível. As áreas saibradas onde foram instalados os vários equipamentos e planejadas para o transitar das pessoas, acabaram esvaziadas. Com o abandono transformaram-se em lugares perigosos. A grande área de recreação passou a ser usada, basicamente, como caminho de acesso à praia. O Parque ficou tão esquecido e discriminado como a sua idealizadora. Aparece na mídia somente estampando matérias negativas.

O Instituto Lotta de Cultura e Cidadania, que tem como propósito preservar a memória e defender o legado de Lotta de Macedo Soares, está empenhado em modificar esse quadro de abandono e propaganda negativa sofrido pelo Parque do Flamengo. Para tal, inspirando-se em iniciativas da sociedade civil aplicadas em vários parques do mundo, e motivado pelo Seminário Parques do Brasil, do Arq.Futuro e Instituto Semeia, decidiu convidar os proprietários, os concessionários e as associações que trabalham no Parque para que, como um grupo, desenvolvam ideias que revertam esse quadro e atribuam a esse espaço público da cidade a importância devida.

Com o apoio do grupo e de representantes da sociedade civil comprometidos com o Parque, foram elaboradas propostas que visam a recuperação de sua função original e visibilidade positiva. Uma delas é o movimento #OCUPAPARQUE. Pensado pelo Instituto Lotta, o movimento visa buscar centralizar e organizar esforços conjuntos da sociedade civil para a efetivação do potencial de convivência das pessoas, por meio de um moderno planejamento de recreação pública, criando uma identidade única, um conceito que conceba o Parque como um todo.

Além da elaboração do Portal Digital, o Instituto em parceria com a Associação Caminhos do Rio e o Coletivo A(R)TERRO, luta pela implantação de um Projeto Educativo destinado a alunos das redes pública e particular de ensino, frequentadores do parque, integrantes de clubes, organizações de assistência social e associações de moradores, o projeto utiliza a estrutura do Parque para implementar caminhadas culturais guiadas, atividades recreativas, esportivas, artísticas e oficinas.

O Instituto Lotta com esse projeto para o Parque do Flamengo quer recuperar, aproveitar e incrementar seu potencial para o esporte, lazer, cultura, turismo e entretenimento, como planejado por Ethel Bauzer Medeiros. Reinserir o Parque no roteiro de ocupação da cidade e reativar uma área que, na atualidade, se apresenta tão distante dos objetivos originais para os quais foi destinada.

branco_50x50

Movimento #OCUPAPARQUE
curta você também…

Venha! Junte-se a nós!
Usufrua de benefícios exclusivos.
Faça parte dos Amantes do Parque!

Por um parque pra chamar de seu…
Participe!

branco_50x50

Poste suas fotos do parque nas redes sociais usando a hashtag #OCUPAPARQUE

branco_50x50

Pista de Dança / Teatro de Arena