O Grupo de Trabalho

Em 04 de outubro de 1961, já com Enaldo Cravo Peixoto na Presidência da Superintendência de Urbanização e Saneamento-SURSAN, o governador Carlos Lacerda, atendendo ao pedido de Lotta Macedo Soares, assina o Decreto nº 607, criando junto a esse órgão um Grupo de Trabalho com as seguintes atribuições: orientar e projetar todas as obras arquitetônicas, paisagísticas e artísticas a serem realizadas pela SURSAN no aterrado Glória-Flamengo; supervisionar a urbanização e a composição paisagística da faixa do aterrado, na orla marítima Glória-Flamengo, e opinar sobre a eventual aquisição e localização de qualquer obra de arte a essa área destinada.

O grupo, presidido por Lotta, era constituído por 7 membros: Affonso Eduardo Reidy e Jorge Machado Moreira (projetos urbanístico e arquitetônico), Berta Leitchic (engenharia), Ethel Bauzer Medeiros (recreação), Carlos Werneck de Carvalho, Sergio Bernardes e Helio Mamede (desenvolvimento de projetos). 

Além desses, integraram também a equipe Maria Augusta Leão da Costa Ribeiro, a Magú e Flávio de Britto Pereira (assessoria botânica); Alexandre Wollner (programação visual); Cláudio Marinho de A. Cavalcanti, Maria Hanna Siedlokowski, Juan Derlis Scarpellini Ortega, Maria Laura Osser e Gelse Paciello da Motta (arquitetos); Fernando Tábora, John Stoddart, Júlio César Pessolani Zavala e Maurício Monte (paisagistas); Sérgio Rodrigues e Silva e Mario Ferreira Sophia (desenhistas); Fernanda Abrantes Pinheiro e Swany Rodrigues e Silva (secretárias); e Hélio Modesto (urbanista), que não é membro do grupo propriamente dito, mas faz a ligação entre o grupo e a administração estadual.

O Grupo de Trabalho contava, ainda, com a contratação do escritório de Roberto Burle Marx e Arquitetos Associados, na elaboração do projeto paisagístico; do botânico Luiz Emygdio de Mello Filho, Diretor do Departamento de Parques e Jardins, que fez a análise do solo e vegetação e que criou o horto para a aclimatação das plantas; do Laboratório de Estudos Marinhos de Lisboa que elaborou, sem cobrar, os estudos hidráulicos para a criação da praia do Flamengo; e do Lighting Designer americano Richard Kelly, que projetou a iluminação do parque.

A equipe da SURSAN era formada por: Enaldo Cravo Peixoto e Raymundo de Paula Soares (Secretários de Obras); Marcos Tamoyo, Joaquim Chaves e Ronald Young, Gilberto Morand Paixão, Cláudio Saturnino Braga, Alfredo Bitencourt Costa e Gastão Henrique Sengès (Diretores); Humberto Cesar Carone Gélio, Custódio Meireles de Miranda, Sergio Schmelfeng, Fernando Novaes, Edson Vassalo, Nelson Dias Lopes, João Alves de Moraes, Waldir José de Melo, Affonso Augusto Canedo Netto, Nelson Araújo Lima, Antonio Soares Veiga, José Carlos Leal, José Viriato Pinto (Engenheiros); Gelton Paciello da Motta, Alva Athos Fagerlande, Armando Ivo de Carvalho Abreu, Walter Iannebeli, Francisco Verta Petain, Cesar Habib Mattar, Paulo Germano dos Santos Terra, Maria de Lourdes Derenusson, Sonia Maria Pires de Mattos, Paulo Roberto Martins de Souza, Dilson Gestal Pereira, Sérgio Gonçalves de Oliveira, Arthur Cesa de Menezes Soares, Augusto Ivan de Freitas Pinheiro, Idelcyr Gonçalves Lopes, Marlo da Costa e Souza, Leticia Mamagiano Hazan (Arquitetos); Mauricio Lobo e Odin Mathiesen (Topógrafos); Álvaro, Mozart, Marzeu, Oliveira, Moreno (Fiscais de campo);  e Julio Ferrarini Maione (Controle tecnológico).

 

Grupo_de_Trabalho_-_Barracao_-_1965_x800

Funcionários do Barracão em 1965: em pé da esquerda para a direita: Juan Delis Scarpellini Ortega (arquiteto), Júlio César Pessolani Zavala (arquiteto), Dona Lotta, Olívio (copeiro), Sérgio Rodrigues e Silva (arquiteto), Swany Rodrigues e Silva(secretária) e David (motorista do trenzinho).
Agachados: Gelse Paciello da Motta (arquiteto), Marcílio Pereira (jardineiro) e Fernanda Noviz Oliveira (secretária).

 

Lotta e Reidy

Affonso Eduardo Reidy e Lotta de Macedo Soares

Burle - Magú - LottaBurle Marx, Magú e Lotta

WhatsApp chat WhatsApp