Atividades e Eventos

A Cinemateca do MAM propõe um VERÃO MUSICAL para você. Veja aqui a programação semanal de musicais incríveis.

publicado por: Fernando Nascimento em

VERÃO MUSICAL

Músicos, Música e Musicais


A Cinemateca do MAM propõe uma pequena viagem musical para o verão de 2016. Celebrando os clássicos, compartilha visões críticas, proporciona descobertas e busca mais uma vez usar o poder mágico dos musicais para alegrar a vida e os corações, ao passo de Astaire, da voz de Grace Chang, das composições de Jobim, Vinícius e Chico Buarque, da coreografia de Khan, da trilha de Weill, do desenho de som de Pathak e da maestria de movimentos de um Minnelli, entre tantos outros artistas presentes. Tudo ao som de tango, rumba, mambo, blues, fox, bolero, samba, polca, fado, rock, reggae e muito mais.

PROGRAMAÇÃO

ter 12

18h – Cláudio Botelho & Seus Convidados. Apresentação do diretor, compositor, músico, libretista e letrista, homenageando o musical clássico hollywoodiano. Classificação indicativa Livre.

18h30 – A roda da fortuna (The band wagon), de Vincente Minnelli. EUA, 1953. Com Fred Astaire e CydCharisse. 112’. Legendas em português. Exibição em blu-ray. Classificação indicativa Livre.

cinemateca_veraomusical_14

qua 13

16h30 – O picolino (Top hat), de Mark Sandrich. EUA, 1935. Com Fred Astaire e Ginger Rogers. 101’. Legendas em português. Exibição em MP4. Classificação indicativa Livre.

18h30 – Desfile de Páscoa (Easter parade), de Charles Walter. EUA, 1948. Com Judy Garland e Fred Astaire. 107’. Legendas em português. Exibição em MP4. Classificação indicativa Livre.

qui 14

16h30 – Cantando na chuva (Singin’in the rain), de Stanley Donen e Gene Kelly. EUA, 1952. Com Gene Kelly, Donald O’Connor e Debbie Reynolds. 103’. Legendas em português. Exibição em blu-ray. Classificação indicativa Livre.

cinemateca_veraomusical_13

18h30 – Um americano em Paris (An american in Paris), de Vincente Minnelli. EUA, 1951. Com Gene Kelly e Leslie Caron. 113’. Legendas em português. Exibição em blu-ray. Classificação indicativa Livre.

sex 15

16h20 – Cabaret de Bob Fosse. EUA, 1972. Com Liza Minnelli e Michael York. 124’. Legendas em português. Exibição em 16mm. Classificação indicativa 14 anos.

18h30 – New York, New York, de Martin Scorsese. EUA, 1977. Com Liza Minnelli e Robert De Niro. 155’. Legendas em português. Exibição em blu-ray. Classificação indicativa 14 anos.

cinemateca_veraomusical_12

sab16

14h – Vamos todos dançar (Mad hot ballroom), de Marilyn Agrelo. EUA, 2005. Documentário. 105’. Legendas em português. Exibição em 35mm. Classificação indicativa Livre.

16h – A viúva alegre (The merry widow), de Ernst Lubitsch.EUA, 1934. Com JeannetteMacDonald e Maurice Chevalier. 99’. Legendas em português. Exibição em 35mm. Classificação indicativa 10 anos.

18h – Gigi, de Vicente Minnelli. EUA, 1958. Com Leslie Caron, Maurice Chevalier e Louis Jourdan. Legendas em português, 115’. Exibição em blu-ray. Classificação indicativa 10 anos.

dom 17

14h – Música e fantasia (Allegro non troppo), de Bruno Bozzeto. Itália, 1977. Animação com as vozes de Marialuisa Giovannini e MaurizioNichetti. 85’. Legendas em português. Exibição em MP4. Classificação indicativa Livre.

16h – Nasce uma estrela (A star is born), de George Cukor. EUA, 1954. Com Judy Garland e James Mason. Versão restaurada em 2010. 176’. Legendas em espanhol. Exibição em blu-ray. Classificação indicativa 10 anos.

19h – A noviça rebelde (The sound of music), de Robert Wise. EUA, 1965. Com Julie Andrews e Christopher Plummer. Legendas eletrônicas em português, 174’. Exibição em 35mm. Classificação indicativa Livre.

cinemateca_veraomusical_11

branco_50x50

Saiba mais sobre o Elemento Arquitetônico do
Museu de Arte Moderna

branco_50x50

Aproveite melhor as suas horas de lazer,
vivencie o Parque do Flamengo.

logoocupaparque

Por um parque pra chamar de seu…
Participe!

branco_50x50

Domingo(6) Música no Museu em Grandes Concertos de Natal, na Cinemateca do MAM.

publicado por: Fernando Nascimento em

Música no Museu

Grandes Concertos de Natal


Sempre objetivando formar novas plateias, facilitando e incentivando a presença de crianças e jovens aos concertos, o Projeto Música no Museu chega na reta final de 2015 trazendo nos três primeiros domingos do mês de dezembro, às 11:30 h, no auditório da Cinemateca do MAM, clássicas músicas natalinas, mesclando várias formações desde coros a orquestras, dentro do programa Grandes Concertos de Natal.

Nesse domingo o Grupo Vocal Agora Vaz, com a regência de Celia Vaz.

branco_50x50

Saiba mais sobre o Elemento Arquitetônico do
Museu de Arte Moderna

branco_50x50

Aproveite melhor as suas horas de lazer,
vivencie o Parque do Flamengo.

logoocupaparque

Por um parque pra chamar de seu…
Participe!

branco_50x50

Sábado(5) sinta a sensualidade nas cenas do 1º Fórum do Movimento de Imagens, na Cinemateca do MAM.

publicado por: Fernando Nascimento em

 

FÓRUM DO MOVIMENTO DE IMAGENS

ITINERÂNCIA RIO DE JANEIRO


Sábado 05 de dezembro – 16 horas

As cores, os objetos e seus tratamentos vão além do caráter científico nos quais o discurso da cineasta tende frequentemente a mantê-los. Não se pode ignorar uma forte sensualidade nas cenas e nas suas escolhas. Rose Lowder privilegia as cenas de natureza mesmo quando certos locais filmados se situam na cidade. Sua transformação cinematográfica é tal como não aparecem mais como emanações urbanas mas como paisagens urbanas naturais. Neste sentido, Rose Lowder perpetua uma tradição impressionista: o trabalho na natureza contra o trabalho no ateliê: à maneira de Cézanne, o trabalho no local é a condição sine qua non se desejamos traduzir a “petite sensation” e a representação”. (Yann Beauvais)

Filmes de Rose Lowder 

Roulement Rouerie Aubage 1978 15’
Les Tournesols 1982 3’
Les coquelicots 2000 2′
Bouquets 1 à 10 1994-95 11’
Quiproquo 1992 13’
Bouquet 21- 30 2001 -2005 12′
Jardin du sel 2011 16’

Todos os filmes serão exibidos em 16mm.

Sessão seguida de debate com a cineasta Rose Lowder e o professor e pesquisador Mateus Araújo (ECA/USP)

branco_50x50

Segunda-feira 07 de dezembro – 18 horas

Natura Obscura, de Paolo Gioli 2013, 8’ (Itália)
K.CorealNC.K, de Ryan Trecartin 2009 33’ (EUA)
Acércate más, de Danielle Vallet Kleiner 2015 16’ (França)
Scrapbook, Mike Hoolboom 2015 18’ (Canada)

Sessão seguida de debate com o realizador, pesquisador e curador Yann Beauvais

branco_50x50

Realização:

RISCO Cinema

Apoio:

Cinemateca do MAM
B³ (Bê cubico) – http://bcubico.com/
Light Cone – http://lightcone.org
.txt – texto de cinema – http://textodecinema.com/
Consulado da França do Rio de Janeiro
Institut Français
Aliança Francesa do Rio de Janeiro

Agradecimentos:

Danielle Vallet Kleiner, Edson Barrus, Eduardo Liron, Hernani Heffner,
Louise Botkay, Mateus Araújo, Mike Hoolboom, Paolo Gioli, Paulo Vampa,
Rose Lowder, Ryan Trecartin, Ricardo Cota, Thomas Sparfel, Yann Beauvais

branco_50x50

Saiba mais sobre o Elemento Arquitetônico do
Museu de Arte Moderna

branco_50x50

Aproveite melhor as suas horas de lazer,
vivencie o Parque do Flamengo.

logoocupaparque

Por um parque pra chamar de seu…
Participe!

branco_50x50

cinemateca_movimentodeimagens_10

Terça(24) na mostra 50 Anos de Cinema, o documentário “Casa 9” de Luiz Carlos Lacerda. Brasil, 2011.

publicado por: Fernando Nascimento em

LUÍS CARLOS LACERDA

50 ANOS DE CINEMA

Membro da elétrica geração dos anos 60, quando estreou como assistente do diretor Ruy Santos em Onde a Terra Começa, ainda assinando Luís Carlos Lacerda de Freitas, Bigode, como viria ser carinhosamente conhecido, está completando meio século de cinema. Filho do produtor de Rio, 40 Graus, João Tinoco de Freitas, trabalhou como assistente de direção, alternando também a direção de curtas-metragens, até passar em definitivo à direção cinematográfica com o mítico Mãos Vazias, estrelado pela musa Leila Diniz. Com ampla e consagrada carreira em cinema, televisão e vídeo, explora com pertinácia e persistência o universo das artes brasileiras, a obra do escritor Lúcio Cardoso, o homoerotismo e as personalidades do cinema brasileiro, particularmente na série Retratos Brasileiros do Canal Brasil. Em parceria com o Centro de Artes da Universidade Federal Fluminense, a Cinemateca do MAM apresenta parte da obra do cineasta e uma exposição sobre sua trajetória artística.

Terça dia 24

18h30 – Bigode: 50 anos de Cinema – Casa 9 de Luiz Carlos Lacerda. Brasil, 2011. Documentário. 75’. Conversa de Botequim de Luiz Carlos Lacerda. Brasil, 1972. Documentário. 11’

Classificação indicativa – 14 anos.

branco_50x50

Saiba mais sobre o Elemento Arquitetônico do
Museu de Arte Moderna

branco_50x50

Aproveite melhor as suas horas de lazer,
vivencie o Parque do Flamengo.

logoocupaparque

Por um parque pra chamar de seu…
Participe!

branco_50x50

Terça(17) pré-estreia do documentário “Caminho de Volta” de José Joffily e Pedro Rossi, na Cinemateca do MAM.

publicado por: Fernando Nascimento em

PRÉ-ESTREIAS

Caminho de Volta


Prosseguindo com a apresentação em primeira mão da mais recente safra de filmes brasileiros, a Cinemateca apresentará em novembro, os longas metragens O Caminho de Volta, de José Joffily e Pedro Rossi, pré-estréia realizada em parceria com o Cine Jóia, que lançará o filme em seguida, e Revoada, de José Humberto, Troféu André Setaro de Melhor Longa Baiano de 2014 no X Panorama Internacional Coisa de Cinema. Caminho de volta acompanha o retorno de dois cidadãos brasilerios há muito radicados no exterior. E Revoada trata da vingança do bando de Lampião após sua morte. O diretor teve longa convivência com uma das integrantes, Sérgia Ribeiro da Silva, a Dadá.

Terça dia 17

19h – Pré-estreia – “Caminho de Volta” de José Joffily e Pedro Rossi. Brasil, 2015. Documentário. 80’. Classificação indicativa – 10 anos.

Segunda dia 23

19h – Pré-estreia – Revoada de José Umberto. Brasil, 2008-2014. Com Jackson Costa e Annalú Tavares. 110’.

branco_50x50

Saiba mais sobre o Elemento Arquitetônico do
Museu de Arte Moderna

branco_50x50

Aproveite melhor as suas horas de lazer,
vivencie o Parque do Flamengo.

logoocupaparque

Por um parque pra chamar de seu…
Participe!

branco_50x50

Mostra Competitiva do Festival Internacional de Televisão, na Cinemateca do MAM.

publicado por: Fernando Nascimento em

Festival Internacional de Televisão

MOSTRA COMPETITIVA DE PILOTOS 2015


O Festival Internacional de Televisão é uma vitrine para o conteúdo audiovisual brasileiro e apresenta a nova safra de programas aos broadcasters e demais profissionais de TV. Considerado o maior festival de televisão da América Latina e o primeiro do ramo em todo o hemisfério sul, o Festival Internacional de Televisão investe na troca de ideias entre os produtores de conteúdo brasileiro e as redes de televisão que operam no país, além de fomentar a discussão sobre a realização televisiva e o panorama atual do veículo. Nesta 10º edição, o FITV conta com uma programação abrangente, tanto de conteúdo quanto de localização, sem deixar de lado as características que o firmaram como referência no mercado televisivo.

O FITV traz para o público um panorama diversificado do que está sendo produzido e pensado fora do Brasil, apresentando um primeiro olhar sobre as mais avançadas tecnologias do audiovisual e fomentando discussões de temas atuais através de encontros, seminários e workshops.

Além da Cinemateca do MAM o evento acontecerá também no Oi Futuro Ipanema, na Arena Dicró, na Biblioteca Parque Rocinha, na Biblioteca Parque Niterói  e na FACHA.

A edição do Festival Internacional de Televisão 2015 acontece entre os dias 10 e 15 de novembro. A Mostra Competitiva de Pilotos é parte da programação do Festival e exibe somente pilotos de programas brasileiros, com duração de no máximo 30 minutos, nos gêneros: Entretenimento, Ficção, Documental, Infantil e Esporte.

Considera-se piloto brasileiro todo aquele que tenha sido produzido no Brasil ou por produtora com sede no Brasil e não ter sido comercialmente explorado no território brasileiro.

A Cinemateca do MAM exibirá a Mostra Competitiva de Pilotos durante os dias 10, 11 ,12 e 13  de novembro, sempre a partir das 14 horas.

 

branco_50x50

Saiba mais sobre o Elemento Arquitetônico do
Museu de Arte Moderna

branco_50x50

Aproveite melhor as suas horas de lazer,
vivencie o Parque do Flamengo.

logoocupaparque

Por um parque pra chamar de seu…
Participe!

branco_50x50

Terça(3) abertura do VIII Encontro Internacional de Cinema e Educação, na Cinemateca do MAM.

publicado por: Fernando Nascimento em

VIII CONGRESSO INTERNACIONAL DE CINEMA E EDUCAÇÃO

Solenidade de Abertura

Coordenado por Adriana Fresquet, Deva Rahasya e Maurício Bragança, o VIII Encontro Internacional de Cinema e Educação da Universidade Federal do Rio de Janeiro, o I Encontro Internacional de Cinema e Educação e o I Fórum da Rede Kino Rio Rede Latino-Americana de Educação, Cinema e Audiovisual, apresentarão intenso programa de atividades, desenvolvido com apoio institucional da Embaixada do Chile no Brasil, e composto de encontros, seminários e um conjunto de oficinas ministradas pela professora, historiadora e educadora Alicia Veja, nome fundamental do cinema chileno e criadora do famoso Taller de Cine para Niños, e por Ignacio Agüero Piwonka, premiado e combativo documentarista, com passagens pela televisão como ator de filmes e séries dirigidas por Raul Ruiz, que terá também grande parte de sua obra, inédita no Brasil, exibida na Cinemateca. Em paralelo, mo corredor de acesso ao AuditórioO evento será acompanhado de uma exposição de fotografias do renomado gravurista Eduardo Vilches. Os encontros serão abertos por sua Excelência Sr. Embaixador do Chile Jaime Gazmuri Mujica.

Terça dia 03

17h – Mesa de Abertura do VIII Encontro Internacional de Cinema e Educação, com a participação do Reitor da UFRJ Prof. Roberto Leher, do Pró-reitor de Graduação da UFF Prof. Roberto Crespo, do Curador da Cinemateca do MAM Ricardo Cota, e do Embaixador do Chile no Brasil Sr. Jaime Gazmuri Mujica.

18h – Ignacio Agüero I – Cem crianças esperando o trem (Cien niños esperando el tren) de Ignacio Agüero. Chile, 1988. Documentário. Legendas em português. 55’.  Sessão seguida de debate com o realizador e Alicia Vega, mediado pela Profa. Adriana Fresquet.

Classificação indicativa – Livre.

branco_50x50

Saiba mais sobre o Elemento Arquitetônico do
Museu de Arte Moderna

branco_50x50

Aproveite melhor as suas horas de lazer,
vivencie o Parque do Flamengo.

logoocupaparque

Por um parque pra chamar de seu…
Participe!

branco_50x50

 

Sexta(30) na comemoração do Dia Mundial da Preservação Audiovisual: Häxan – A Feitiçaria Através dos Tempos.

publicado por: Fernando Nascimento em

Dia Mundial da Preservação Audiovisual

Häxan – A Feitiçaria Através dos Tempos (1922)


A Cinemateca do MAM apresenta na mostra comemorativa ao Dia Mundial da Preservação Audiovisual,  Häxan – A Feitiçaria Através dos Tempos, de Benjamin Christensen, na próxima sexta-feira (30), às 20 horas, ao ar livre.

Uma mistura de documentário com filme didático, Häxan em seu começo parece um daqueles filmes feitos para o Telecurso 2000, testando a paciência do espectador com seu registro místico e histórico sobre a feitiçaria através dos tempos, como seu próprio subtítulo informa, focando-se principalmente na estreita relação entre bruxas, demônios e toda a mentalidade estúpida da Igreja durante a Idade Média, que saía por aí queimando mulheres a torto e a direito.

Mas com o passar do tempo, meu amigo, segure-se que o filme se transforma em uma heresia desenfreada. Häxan é um dos mais controversos e assombrosos filmes de terror da década de 20, combinando naturalismo com efeitos especiais, que passeia entre o tom documental, por se declarar como uma apresentação do ponto de vista cultural e histórico, e o tom aterrorizante e herege que vai nos jogar na frente dos olhos bruxaria, magia negra, superstições, e por aí vai.

Não consigo imaginar o efeito que esse filme teve nas pessoas em plenos anos 20, mas com certeza é o mais próximo do que deve ter sido um filme transgressor na época.  Foi o Cannibal Holocaust ou o Serbian Film da sua geração. Tanto que foi até proibido em diversos países.

Ninguém mais, ninguém menos que Satã aparece em cena como protagonista, tendo de ser interpretado pelo próprio diretor, com sua clássica imagem com chifres, barba e garras. E são vários os tipos de coisa-ruim que mostram sua cara no decorrer do longa. Soma-se a isso nudez, sexualidade, demônios assustadores fazendo sabás com bruxas que beijam seus traseiros, tortura, cárcere, açoite, um bebê usado para sacrifício e uma freira possuída e perseguida pelo tinhoso, tudo dividido em sete histórias.

Cronologicamente, a trajetória de Häxan começa em 1488 e termina em 1922, sempre pontuando estudos de caso, seguindo o rastro da inquisição, possessão de freiras, sabás, e outras tentações e maledicências em geral. Isso tudo mostrando como fonte documentos, livros, diagramas e ilustrações, mantendo assim o lado educativo da coisa. Fora todo o impacto visual dos elementos que o diretor Benjamin Christensen coloca em tela, que vão desde as famosas caveiras e esqueletos, passando por insetos, répteis, roupas rasgadas, e os demônios em si, que serviram como ponto de referência para o gênero futuramente.

Claro que os efeitos especiais são toscos vistos atualmente, com bruxas voando em vassouras e uso de stop-motion, além de hoje em dia para quem já viu a menina de O Exorcista descendo a escada ao contrário ou a garota em A Filha do Mal se retorcer, quebrando a própria coluna, o filme não impressiona. Mas o que conta é que a produção ousou lá atrás e abriu caminho para muitos filmes chutarem o balde dali para frente.

Vale a pena ter um pouco de paciência e conferir Häxan – A Feitiçaria Através dos Tempos, produção de valor inestimável para o cinema de terror.

Marcos Brolia


1922 / Suécia / P&B / 87 min / Direção: Benjamin Christensen / Roteiro: Benjamin Christensen / Elenco: Benjamin Christensen, Elisabeth Christensen, Maren Pedersen


branco_50x50

branco_50x50

Saiba mais sobre o Elemento Arquitetônico do
Museu de Arte Moderna

branco_50x50

Aproveite melhor as suas horas de lazer,
vivencie o Parque do Flamengo.

logoocupaparque

Por um parque pra chamar de seu…
Participe!

branco_50x50

50 anos

Entrega da Medalha Chiquinha Gonzaga

publicado por: Claudio Machado em

branco_50x50

Em cerimônia realizada na Cinemateca do MAM, no dia 17 de outubro de 2015, parte dos eventos em comemoração aos 50 anos do Parque do Flamengo, a presidente do Instituto Lotta, Monica Stearns Morse, filha adotiva de Mary Morse, Elizabeth Bishop e de Carlota de Macedo Soares, recebeu a Medalha Chiquinha Gonzaga, in memoriam, a Lotta de Macedo Soares, das mãos da Vereadora Leila do Flamengo, autora do requerimento à Câmara Municipal.

A Medalha de reconhecimento Chiquinha Gonzaga foi criada pelo Projeto de Resolução 14/1999, da Câmara Municipal do Rio de Janeiro, e é conferida à personalidades femininas que, reconhecidamente, tenham se destacado em prol das causas democráticas, humanitárias, artísticas e culturais, no âmbito da União, Estados e Municípios.

Prestigiaram à cerimônia Ethel Bauzer Medeiros, responsável pelo projeto de recreação do parque e integrante do Grupo de Trabalho comandado por Lotta, o engenheiro Walter Pinto Costa, superintendente da SURSAN e construtor da Praia de Botafogo e Fernando Murta, presidente da Associação de Amigos do Parque do Flamengo, além do público de amantes e frequentadores do parque.

branco_50x50

NiverPark 285

NiverPark 230

NiverPark 257

NiverPark 276

NiverPark 264

NiverPark 282

NiverPark 283

NiverPark 250

WhatsApp chat WhatsApp